O medo de sonhar: A queda dos edifícios vivos na cidade fantasma


Sonhos são tão valiosos quanto ideias
Independente do que eu possa falar aqui durante os meus devaneios, um limite sempre pode existir em mim, em você ou em qualquer pessoa, isto, porquê somos altamente limitados a coisas nem sempre importantes. E uma boa (e talvez única maneira) de traspor os limites (quaisquer que sejam) é sonhar... ou talvez ver as coisas de cima... de cima de um edifício, nosso edifício. O medo de sonhar percorre toda a sociedade e não é uma das grandes novidade do mundo atual. Ainda assim, é algo tão importante quanto qualquer outro dos nossos dilemas.





Sonhar é mais que necessário
Sonhar, equivale necessariamente em ver as coisas de um ângulo incomum... ver coisas de um ângulo incomum, pode ser tão desafiador quanto mudar alguma coisa, portanto, é comum sentirmos medo de sonhar... sonhar, equivale a ultrapassar as barreiras de altura da cidade fantasma... e ultrapassar tais barreiras é sempre algo difícil, duro, e aparentemente impossível.  Se alimentar de "e se..." pode ter implicações enormes, pode ter implicações de tirar o sono de jovens corações, contudo, viver sem sonhar é como saber que se tem asas e ainda assim, mesmo que não vá destruir nada, mesmo que nada te impeça, ter medo de voar.

Mas, a prática destrói ou ao menos tenta destruir tudo que se entende por sonho, afinal, tudo, ao ser adicionado parece impossível. E neste caso, eu realmente ficaria grato que se perguntassem, mesmo que desconfiadamente e imperceptivelmente, se alguém que tenha vivido na idade média teria capacidade de pensar, ou ao menos prever (já que não posso usar o termo imaginar) a existência de um armazenamento de dados como a internet. Agora, quero que se coloque sua mente no espaço e tempo exatos equivalentes a sua existência agora... é possível imaginar a quantidade de coisas incríveis que estão por vir? Todas as descobertas revolucionadoras, todos os gênios, todas as revoluções, dá pra imaginar tudo? É possível que não... e se sim, se há algo que realmente é possível pensar e aparentemente ser possível, por quê não tentar realizar?

Se é possível achar uma saída para no mínimo um pequeno problema, seja a pobreza, a ilusão, o descontentamento ou mesmo a locomoção, o sedentarismo, a informação, porque não realizar? As pessoas seriam tão felizes por isso!

Mas, meu Deus quantos sonhos já caíram não é mesmo? Alguns bons, outros ruins, outros incríveis e alguns enormes... ideologias mortas, ideologias horríveis, ideologias quase perfeitas.

Sonhos, sonhar - arranha-céusO fato, é que independentemente do que possamos ser, a obrigação é de podermos olhar assim que pudermos os fatos do mais alto possível. Bem, isto não é fácil.

O sistema econômico, as limitações ou por vezes até mesmo o que se vende por razão (na realidade razão de massa) vão contra tudo o que se pode entender como superior. Como construir um arranha-céu dentro de uma vila. Assim que ele estiver pronto todos vão olhar para cima, contemplar, subir e descer, ver como as coisas enormes na realidade são pequenas, mas até se chegar ao fim da construção, na maioria das vezes não por mal, mas por medo, várias pessoas e coisas irão se opor, e infelizmente, a única pessoa realmente capaz de julgar o sonho, é o seu criador. E nem sempre este tem a capacidade de se auto julgar.



A queda dos sonhadores no chão inquebrável.


O excesso de sonhos faz com que as pessoas retirem os pés do chão, divaguem entre a realidade e a ilusão e até mesmo esqueça do seu papel ou de si mesmo... como se a falta de algum apoio os desgrudasse, então, eles acabam por tentar subir para o próximo andar antes de fazer o chão, resultado? Eles caem, o seu sonho cai, talvez por ser tolo pela sua inexperiência, talvez, porque o medo das outras pessoas foi tão grande que elas mesmas derrubaram a construção.

Mas, bem, o chão é inquebrável, e neste caso, este é o alicerceie. Quando um sonho real é fielmente utilizado, ele com certeza pode se refazer com uma força e uma determinação incomparáveis e insistentes. Até se chegar aonde se pode.

O chão, é um limite, onde sonhadores crescem, covardes se afundam, heróis caem tentando e finalmente tolos padecem. Mas realmente, a morte não é um limite aceitável, as ideias percorrem, se transformam, seguem independente do corpo ou mente dos seus criadores... e estas ideias, imortalizam os sonhadores que a criaram. Estas, por vezes, tem realmente, vida própria. 

Mas temos medo de sonhar...




Desafiar algo a mais... mudar o que não quer ser mudado, isto é realmente um desafio enorme, e poucos conseguem, isto é natural... a honra, está em todos que tentaram, porque os que tentam contribuem igualmente par aos que conseguem... e neste caso, não é uma maratona, a descoberta e a realização de um sonho, não tem um primeiro lugar... mas sim, um lugar único, e nele, cabem todos os ideais de todos que contribuíram.

Albert Einstein não teria descoberto o universo se Newton não o tivesse deduzido anteriormente (ao menos uma base).

Edifícios incríveis caem... edifico belos, tem estrutura precária no interior... mas com certeza, todos sabemos que o sonho é a única maneira de se alcançar algo melhor... então, sonhar, é por si só, construir um alicerceie, para a vida e para os sonhos...