Acesso à arte: Quem faz, como ampliar,e qual o seu papel

Para que serve a arte?-Aquarela pronta para o uso Já dizia Renato Russo há muito tempo que vivemos em um país em que acesso à arte é artigo de luxo. Tempo vem, tempo vai, e mesmo depois da sua morte as coisas andam a passo de tartaruga.

O acesso a arte, mesmo que devagar (por parte do governo) teve um enorme empurrão por parte das ONGs e de voluntários, que mesmo sem apoio realizam papéis importantíssimos quando falamos de ajuda.






Não é de hoje que nos deparamos com histórias lindas em trechos de programações que em poucos minutos contam histórias marcantes de pessoas que sonharam, ajudaram e mobilizaram centenas de outras pessoas por um objetivo único.

Infelizmente, os sonhos e as realizações não sempre companheiros, tampouco, realizáveis. E neste ponto, mesmo que diversas ONGs e sonhadores mobilizem-se, sempre haverão exceções, isto porque não são grandes o suficiente para abranger todo (ou ao menos a maior parte) do território nacional. Por este e por outros motivos, a divulgação da arte e o acesso a mesma deve ser feito também pelo governo.


Projetos governamentais de acesso à arte: você conhece?

Acessoa  arte: Já pensou até onde vai o talento de cada um?
Eu poderia fazer posts e mais posts criticando o governo por não disponibilizar o acesso necessário a arte... mas será realmente que ele nunca pensou nisso? É claro que sim! E alguns governos realmente estão investindo muito em arte e em seu acesso (não tanto quanto o necessário).

É bastante difícil fazer uma lista com os projetos governamentais, apesar de serem numerosos eu precisaria descontar da lista os que não funcionam, os que não chegam a lugar nenhum, e os que ninguém sequer conhece, portanto, prefiro não citar. 

(Mais que isso, é muito difícil encontrar referências nestes casos, sem problemas, seja novamente no acesso e onde ele é feito, ou na distribuição por vezes mal planejada... talvez seja tão difícil encontrar um projeto adequado [ao menos pela internet, sei que estes existem] que eu deva remover esta referência do texto.)

Projetos não governamentais, são tantos assim?


Temos um pouco o esteriótipo de que ONGs fazem mais que os governos... onde elas alcançam sim, fazem muito mais, mas as ONGs são relativamente limitadas, isto porque são organizações com problemas financeiros, e principalmente porque nestes casos especificamente não possuem na maioria esmagadora das vezes fundamentos comerciais.

 Algumas universidades estão entrando com tudo neste ramo, um ótimo exemplo é o coletivo cultural da UFJ. Para conhecê-lo basta clicar no link... achei uma ótima ideia.

E se Mozart nunca tivesse tido o piano?E quanto a quantidade? Segundo o IBGE em uma pesquisa realizada em 2010 e divulgada em 2012, em parceria com a ABONG disponível  no link, existiam 54,1 mil ONGs.

*Detalhes no link acima.

Nem todas estas ONGs trabalham com acesso à arte, algumas tratam de temas como meio ambiente, saúde, acessibilidade e etc. Temas tão importantes e dependendo do caso mais importantes do que a arte em si.





E qual a utilidade da arte?


A dança, a expressão da mente no corpo nos mínimos detalhesA arte, consiste na exposição de coisas interiores no exterior, e isto a torna especial, especial, porque, pessoas que vivem dentro de uma realidade sufocante podem expor pensamentos e comportamentos sem que seja necessário destruir. A arte é uma válvula de escape, que além de liberar o vapor, o reaproveita.

No geral, a arte pode ter papéis tão importantes quanto a própria educação. Até porquê, grande parte da educação é arte.









E para entender o que é arte, basta ler os posts sobre isto:



Na sociedade

A arte, quantas são? Só 9?Uma das principais vantagens da arte é sua variedade, pintura, escultura, música, entalhamento, artes marciais, teatro, cinema, desenhos a mão, arte digital, escritas em geral, dança, fotografia, culinária, jogos eletrônicos, rádio, mímica, arquitetura... ufa! Há uma enorme chance de que alguém se identifique em no mínimo uma destas artes, isto sem falar que nelas ainda temos variações, e haja variação entre o Olodum e Beethoven.

Como se não bastassem todas as variações, ainda temos os ídolos, e novamente, são diversos, de Oscar Niemeyer, até o Engenheiros do Havaí. Estes ídolos é que sugam a atenção e servem de âncora, como um ponto de referência no meio dos ruídos que garante o seu caminho.






Dentro do indivíduo



Cidadãos mais conscientes de seus direitos e da realidade, opiniões menos pré fabricadas e mais construídas, admiração por quem realmente a merece, mais pensamento, melhor qualidade de vida, mais amor pelo conhecer. São coisas simples, e que vem junto com o acesso a arte.

A arte, é como lanterna no escuro, sabe? Pode parecer pouco mas é o que te dá segurança,e  sempre que te falta alguma coisa, quando a insegurança bate, ou quando você fica confuso com algo, você corre o máximo, o máximo que puder, como se tudo fosse o fim, só pra pegar aquela lanterninha, e entender o que tem ao seu redor. Isso, é arte!