Yesterday: A revanche dos problemas.

  Obviamente se você tem o mínimo de conhecimento, já deve ter ouvido a música Yesterday, dos Beatles. Sem paparicamentos já que essa é a minha banda favorita.

Infelizmente não estamos aqui para falar sobre o meu gosto musical. Estamos aqui para falar sobre a revanche dos problemas. Título estranho? Nem tanto.

Obviamente não estou aqui para tratar desilusões amorosas. Estou para tratar daquele momento onde você acha que vai melhorar e depois tudo volta (obviamente tratar a maneira do blog, ou seja, com as nossas sempre presentes abordagens filosóficas, antropológicas e mais um pouco.)

 Antes que eu possa se quer sonhar em abordar esse tema diretamente, como sei o quão precária é a busca do pelo significado do que se ouve, devo dar a letra da música a você, na sua língua.
Como não quero deixar essa postagem com o aspecto de longa, entrem no link abaixo



Beatles, yesterday, The Beatles por trás de um portão, fotografia original.Pronto! Agora você já sabe do que estamos falando não? Aquele momento em que você acha que venceu, acha que todos os seus problemas foram embora, e de repente baw estavam todos ali esperando que você se distraísse ou só abaixasse a cabeça.

Do nada, você não sabe mais como lidar com nada, é como se a parte ruim do mundo (do seu mundo, não olhe só pro próprio umbigo, por favor) tivesse ido hibernar e depois tivesse voltado 100%, 100% para te destruir. Como se antes no seu "yesterday", você tivesse conseguido vencer, mas, tudo tivesse voltado.

Já passou por isso? Pode deixar nos comentários. 

Antes que hajam críticas ao blog, sim estou ciente de que Yesterday  foi a música postada pela filha de Michael Jackson antes de tentar se matar. NÃO é esse o motivo da postagem. Conheço sim essa música a muito tempo (como já disse, uma de minhas bandas preferidas).

Com tudo esclarecido vamos ao tema:

E quando os seus problemas voltam?

Vamos comparar problemas utilizando a ideia de sacrifício, e sim, vou ter que deixar isso claro também.

Sacrifício nesse caso, equivale a ideia não de que seja necessário para o menor problema, aquele (pequeno ou não) esforço usado para a resolução de problemas (que por menor que seja existe).
 Então vamos por isso na matemática, já que para cada esforço maior que a "linha de sacrifício considerável" passa a crescer exponencialmente, é obviamente melhor que você tenha muitos pequenos problemas fáceis de resolver que um enorme, já que este te causa muitos danos e te nega a sair do lugar.

Sim, se nega a sair do lugar! E acho que todos sabem bem o que é isso. Só não sabe mais porque geralmente as pessoas costumam se apegar a outras coisas para esquecer. É mais fácil esquecer que resolver, isso torna as pessoas cada vez mais supérfluas.
 Sabe aquele exemplo do muro que uso diversas vezes ao longo do blog? Também se aplica aqui.

" As dificuldades são como um muro. Ele é feito para te parar, mas pode fazer com que você suba, e mais, fazer com que você consiga ver cada vez mais horizontes."


Nem sempre que as coisas voltam tudo é a mesma coisa

O título já diz tudo.
Imagem cheia de luzes equivalentes a épica cena dos Beatles na faixa de pedestres.Geralmente quando um problema volta você não em mais a disposição inicial de resolvê-lo ou mesmo não tem mais aquela capacidade ou o meio para tratar.
Por mais que esta postagem esteja muito auto-ajuda, creio que até agora não disse nada errado.
Problemas são limites mais impostos pelo meio (mesmo que mental) do que por você mesmo.
Provavelmente nunca vai ser a mesma coisa.

Uma dica?

Jamais, e eu digo, jamais quando um problema for grande deixe algo por fazer, isso serve de coisas a pessoas. Uma mágoa, um ressentimento, isso tudo pode crescer e se repartir em dezenas ou centenas de novos problemas, isso é pior do que o inicial, já que tudo funciona como uma base de defesa. Exemplo?

"O general Luís, responsável por comandar os ataques estava pasmo. Durante os três primeiros ataques que não haviam tido grande potência as tropas inimigas ainda haviam ficado de pé. Alguns obviamente morreram, nada que os fizesse recuar. os danos eram enormes, mas os médicos estavam dando conta. Era como a mente de uma pessoa se recuperando. Tudo na mais perfeita ordem.
 Novos ataques aos médicos podiam ser feitos... mas era possível atacar tudo de uma só vez.
- Não, não general, é melhor que desestabilizemos os médicos, sem ter quem cure os demais ataques serão destrutores.
- Acredito que tenha razão meu caro. Mas atacar a central e evitar que auxiliares venham é o melhor (no nosso caso pior), ninguém pra ajudar e uma ataque central, os médicos vão trabalhar mais, correr mais, vão recuar mais e assim durante o recuo a pé poderemos pegar todos desprevenidos"

Na realidade as coisas costumam funcionar mais ou menos parecidas. Não fuja do seu problema pois ele pode te procurar e o pior conseguir te achar.

E quando o problema é o seu próprio dia-a-dia?


Nossa sociedade é muito apressada e fica mais a cada dia. Ás vezes os maiores problemas vem do nosso próprio dia -a- dia, a correria, o "sem tempo", tudo isso contribui para o estresse e faz com que deixemos as coisas "por fazer", e isso como o citado acima garante uma revanche, essa geralmente pior. Talvez não por ser mais agressiva, ou mesmo por te pegar desprevenido (a), mas por já ter dado todas as suas forças. (E vamos combinar que ninguém é o Seiya de Pégasus né?)

Boneco segurando ponto de interrogação enormeProblemas sem saída - Eu tenho de ser o pilar de tudo.

Esse é um grande problema, sabe quando todo mundo tem problemas "maiores" e você tem que sustentar os seus e de mais todo mundo? É como se você fosse um encosto de segurança para tudo, e você não aguenta, mas, não pode ceder. Fica naquele estado meio de quase quebrar, e se segura pelos outros?

A vida não é fácil meu querido(a), E ninguém te disse que seria... realmente é duro, mas expor e cobrar para ser ouvido (a) não é pecado algum. Mas obviamente se o seu problema for algo como um egozinho que grita lá no fundo, é melhor não dizer nada, saiba que você não é o centro do universo e tem muita gente por aí com muito mais problema que você.

Yesterday... recordar pode significar viver, depende do que já se fez, bons tempos os que tudo estava de pé e não haviam tais problemas, você não acha?

Homem sozinho na rua escura e chuvosa com luzes ao fundo e mochila no chão.




Postagens complementares: