A máquina que move o modismo.

   Parece ás vezes que o mundo se curva perante a uma única fonte de vontade, parece que as pessoas de tanta falta do que pensar ou de tanto pensar se cansaram e resolveram pensar cada uma um pouco e deixar o resto com as outras. As pessoas param de pensar, não questionam, não entendem, não criticam, não fazem nada. Parece que  marketing não faz propagandas, parece que ela pensa, pensa por nós.



  Não importa como o que importa é o que "eles" querem que pense:

 Não importa o conteúdo, não importa nada, importa se está ou não na moda. Nada jamais é criticado, só recebido, esse excesso de recepção de pensamentos prontos prende sua mente ao só aceitar, corrói o bom senso, impede o pensamento.

    Sua vida se torna pública, o público, a vaia, ou aplaude dependendo do cartaz erguido, você segue a moda, não importa se no circo é acrobata ou palhaço.

    Político te engana, marketing te engana, o mundo te engana e você nem aí. Fica aí o espírito humano preso ao mundo como se a única maneira de sobrevivência fosse essa adaptação, essa adaptação, suja o nome do racicínio e torna sua mente em uma máquina de xerox.

Particular e público... onde acabou isso?

    Agora gostaria de explicar: A vida particular e pública é posta a prova quando se trata de internet e redes sociais, tudo isso gira em torno de uma máquina enorme que torna eu e você engrenagens, por exemplo, quando são postos em passarelas vestidos vermelhos e essa é a "cor da estação", todo mundo veste vermelho, uma banda onde todos os integrantes sempre sigam a moda a risca, ganha algum prêmio e é divulgada no mundo, não pela boa música, mas pela "beleza", logo um estilista de alguma empresa produz uma coleção de roupas com tema da banda, todo mundo compra a banda se vincula a marca e cresce, eles vão parar em um canal de tv, quando trabalham estão em shows ou estão na tv, usando vão descançar, um paparazzi vai atrás dele para filmar momentos íntimos ou pessoais para satisfazer os "fãs", esses fãs compram a revista, essa revista vende muito e eles são perseguidos até não terem vida pessoal, a sua vida se torna pública, você como amante da banda cria seu fã clube e briga com todos que não gostam da banda. Seu dia-a-dia é perseguir os integrantes da banda e mais nada assim, de tanto correr atrás e postar em shows sua vida vira pública, querendo ter uma vida como a deles você cria um twitter, sua vida vira uma vitrine e você vira uma marca como eles, você vira uma xerox deles. A diferença é que eles ganham dinheiro e você não.
     Logo algum integrante se cansa da exposição e briga com algum paparazzi que " Só está fazendo seu trabalho", o interessante é que tudas as empresas são vinculadas, e elas te tornam famoso, ficam ricas as suas custas, ganham dinheiro com redes sociais, você perde sua vida pessoal. Tudo se torna uma vitrine.
     Um "amigo nosso" explicaria isso melhor:




As linhas que não aparecem:


   Reparou que no fim tudo está interligado? O problema é que a empresa ( e não é só a globo ) quer o seu $$$. Assim ela compra sua vida "pública" e sua vida "privada".
   Quando você enlouquece atrás de se tornar famoso ou algo do tipo alimenta essa indústria que vende vidas.
Viver a base de modismos que são criados para te iludir, é o mesmo que não viver, ou fazer parte do pensamento coletivo. Tema que será tratado no próximo post. ( E que é onde quero chegar )

Ah, e acima de tudo, lembre-se, você é o que parece ser, ou melhor o que veste.