Organização social 2 " A vitrine"

Continuação sobre a organização social
Veja o post anterior:
Organização social: ".s"

Segundo a wikipedia :


   Uma sociedade não tem condições de sobreviver se não apresentar certa organização e relacionamento entre seus membros. Para que exista sociedade são necessárias interações conscientes entre os indivíduos que a formam. Sem organização, o homem não conseguirá, de maneira ideal, alimentação, vestimenta, moradia, enfim, realizar com plenitude todas as suas potencialidades.
   Até os grupos sociais se organizam e mantêm relações recíprocas, como entre famílias, entre escolas, entre fábricas, etc.


Organizando os horizontes:

   Um aspecto cultural marcante dos povos é a organização social, que compreende os papéis exercidos pelos indivíduos na sociedade e as ações decorrentes do desempenho desses papéis. Numa escola, por exemplo, o diretor orienta o trabalho de todos os funcionários, solicita melhorias para o prédio e suas instalações, participa de reuniões na delegacia de ensino para acompanhar as determinações da Secretaria de Educação; os inspetores cuidam da disciplina; os professores lecionam; os faxineiros cuidam da limpeza; os alunos participam das aulas etc.
   A organização social engloba os diversos campos de atuação humana: econômico (atividades produtivas, comercio, serviços; político (governo); religioso (líderes espirituais e fiéis).
   Na organização social, são importantes as RELAÇÕES DE PODER que se estabelecem entre os indivíduos que a compõem. Mas o que é poder?

As necessidades sociais... o exemplo da vitrine intocável:


A organização social vem da necessidade, a necessidade de cada ser é variável, mas se pões como diferente pela capacidade de cada ser de atingir o melhor. O fenômeno chamado de psicoadaptação também interfere muito, por exemplo, quando falamos sobre as injúrias da sociedade ninguém se prosta pelo contra por estarem psicoadaptados  a maneira de viver. (óbvio que existem exceções).

Vamos exemplificar. Uma roupa numa vitrine atrai o olhar de três famílias em situações financeiras diferentes. Uma família muito pobre acharia linda, mas tão cara que não poderia comprar, uma média acharia que não valeria a pena comprar aquilo por ser muito caro, embora tivesse condições de comprar se poupasse, e uma muito rica mesmo que não precisasse compraria. Isso explica muito bem como a visão muda dependendo do meio em que a pessoa vive e, portanto da quantidade de poder financeiro que possui.
   Assim basta pensar um pouco para entender que a necessidade da rica é ter quem lave os pratos e a da doméstica é ter dinheiro. Nisso há uma troca aparentemente justa, mas que não é!
   A doméstica tem mais trabalho do que a rica, e ganha bem menos assim se ela quiser estudar não terá tempo, e se quiser sair do emprego “morre de fome” assim essa troca não é justa.
   Eu deixo a seguir alguns links com informações cruciais sobre o assunto: